Nota: As extensões de arquivos RAW utilizadas pela Canon e pela Nikon são CR2 e NEF, respectivamente.

Duas dicas de fotografia profissional para quem gastou um bom dinheiro para comprar uma câmera diferenciada (quem sabe uma reflex?) e continua fotografando apenas em JPEG: Passe a fotografar em RAW (cru, em inglês) e preste muita atenção na regulagem do balanço de branco até que comece a fazê-lo.

Quando se fotografa em JPEG (tipo de arquivo criado em 1990 visando sua compactação), o programa da câmera processa os dados captados pelo sensor antes de salva-los. Nessa operação ocorre perda de cor e de resolução, podendo haver também introdução de ruído adicional. No caso do RAW toda a informação obtida é armazenada pela câmera e o seu tratamento é postergado, para ser realizado em computador, o qual, obviamente, apresenta muito mais capacidade de processamento que a câmera. Disso resulta a possibilidade de gerar imagens de melhor qualidade e até mesmo aproveitar fotos que seriam imprestáveis, se tiradas em JPEG. Em síntese é isso, mas aprofundemos um pouco a questão, analisando o quadro comparativo abaixo, no qual as vantagens e desvantagens encontram-se escritas em letras verdes e vermelhas, respectivamente.

Nota: As extensões de arquivos RAW utilizadas pela Canon e pela Nikon são CR2 e NEF, respectivamente.

Não é de se estranhar que o JPEG seja tão popular, pois o RAW também apresenta várias desvantagens, embora as relacionadas com contraste e nitidez sejam facilmente eliminadas na edição. As maiores dessas desvantagens, consequentemente, parecem ser o tamanho do arquivo e a necessidade de processamento previamente à utilização da foto. Todavia os cartões de memória e os discos rígidos estão com os preços em queda, o que minimiza o primeiro inconveniente. Quanto ao segundo, o programa Lightroom, que é o mais utilizado pelos profissionais da fotografia, veio simplificar muito a tarefa de edição de imagens. Alternativamente podem ser empregados o Microsoft RAW Image Thumbnailer and Viewer, o Adobe Photoshop que também aceita o RAW ou o Picasa, o qual pode ser obtido gratuitamente.

Dessa forma, dentre aqueles que dispõem de câmera com a possibilidade de fotografar em RAW, a opção pelo JPEG vem se tornando  restrita praticamente a quem não sabe usar o RAW ou a quem não tem tempo ou simplesmente não deseja ter o trabalho de processar as imagens cruas.

Forte abraço,
Pedro Trindade